Category Archives: Sem categoria

Diabetes Tipo 1 e 2 — Quais as Diferenças?

As Diabetes tipo 1 e 2 afetam cerca de 16 milhões de pessoas só no Brasil, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Em ritmo acelerado, o número de casos das Diabetes tipo 1 e 2 tem crescido cada vez mais. Saiba como diferenciar as características de cada uma!

O que são as Diabetes tipo 1 e 2

Para quem ainda tem dúvida sobre o surgimento da diabetes, saiba que ela desenvolve-se quando o organismo não consegue controlar a quantidade de glicose (açúcar) no sangue. Isso pode ocorrer se o corpo não produzir quantidades suficientes de insulina.

Há dois tipos de diabetes que podem se desenvolver. Na diabetes tipo 1, o corpo não produz insulina o suficiente. Na diabetes tipo 2, o organismo não produz insulina o suficiente, ou não consegue utilizá-la de maneira apropriada. Neste último tipo de diabetes, a causa geralmente está ligada ao excesso de peso.

Veja a seguir mais detalhes sobre os dois tipos de diabetes:

Diabetes tipo 1

A Diabetes Mellitus tipo 1 é uma doença autoimune que pode ser diagnosticada em todas as fases da vida, mas essa identificação costuma acontecer na infância ou adolescência.

Ela consiste na deficiência das células beta-pancreáticas, responsáveis pela produção reduzida do hormônio chamado insulina. A causa da Diabetes tipo 1 é uma combinação de genética, com fatores ambientais e sua prevenção está ligada a manutenção de uma vida saudável e ativa.

O tratamento da Diabetes tipo 1 é feito com reposição de insulina, além de medicamentos e mudanças no estilo de vida com alimentação balanceada para o quadro e atividades físicas.

Tudo isso auxilia no controle do nível de glicose no sangue. Estar atento aos sintomas é uma das melhores maneiras de diagnosticar a doença cedo — e tratá-la da melhor forma. Veja os sintomas mais comuns:

  • Urinar mais que o normal;
  • Fome e sede constantes;
  • Perda de peso;
  • Fraqueza e fadiga;
  • Nervosismo e mudanças de humor;
  • Náusea e vômito;
  • Complicação com glicemia ou hiperglicemia.

Portanto, é importante ressaltar que, numa complicação com glicemia ou hiperglicemia, a melhor medida é chamar uma ambulância. E lembre-se: se houver uma crise hipoglicêmica acompanhada de convulsões ou desmaios, não injete insulina no corpo. E também evite a ingestão de comida ou bebida pela boca — isso pode obstruir as vias aéreas.

O aconselhável é passar um pouco de açúcar na gengiva da pessoa. Faça isso com a cabeça da pessoa virada de lado, protegendo com cuidado. Lembrando que, esses são os primeiros cuidados — enquanto a ambulância da Dez Emergências é acionada.

Diabetes tipo 2

A Diabetes tipo 2 também está relacionada à deficiência na produção de insulina, mas neste caso, a causa não é hereditária, e a crônica está relacionada com a obesidade. Neste tipo de doença, a causa está na resistência à insulina, ou a não produção em quantidades adequadas.

Seu controle e tratamentos estão diretamente ligados aos hábitos, sendo necessária a mudança na alimentação e a prática de atividades físicas. O uso de insulina e de medicamentos também é recomendada sob supervisão médica para Diabetes tipo 1 e 2. Apesar de — em alguns casos — a Diabetes tipo 2 ser assintomática por anos, os sintomas da Diabetes tipo 2 são:

  • Infecções frequentes;
  • Demora na cicatrização;
  • Visão embaçada;
  • Formigamentos nos pés;
  • Fome e sede constantes;
  • Vontade frequente de urinar.

Além dos sintomas, existem alguns fatores de riscos da Diabetes tipo 2. São eles: a idade acima de 45 anos; obesidade; sobrepeso; sedentarismo; hipertensão; baixos níveis de colesterol HDL e Triglicerídeos elevados; histórico familiar; pré-Diabetes; Diabetes gestacional anterior e consumo elevado de álcool.

Ficou com alguma dúvida? Se precisar de ajuda, chame a Dez Emergências!

Atendimento Pré Hospitalar

Atendimento Pré-Hospitalar: Qual a Importância?

O atendimento pré-hospitalar bem executado é parte fundamental de um socorro de sucesso. Também chamado pela sigla APH, o atendimento pré-hospitalar é o socorro rápido e eficiente no local da ocorrência, que pode ser sucedido, ou não, pela remoção do paciente para o hospital. O atendimento APH é um serviço médico assistencial de urgência e emergência disponível 24 horas por dia e feito por uma equipe médica capacitada. Agora que você já sabe o que é atendimento pré-hospitalar, vamos entrar em detalhes sobre esse importante serviço.

Como funciona o atendimento pré-hospitalar

O atendimento pré-hospitalar consiste na ida de uma equipe médica capacitada até o local em que a vítima se encontra. Esse deslocamento é feito mediante ligação para a Central de Atendimento. Após uma eficiente triagem, é definido o tipo adequado de ambulância e os profissionais mais capacitados para o caso em questão. Também são realizadas orientações para a pessoa que entrou em contato acompanhar a condição do paciente. A Dez Emergências faz constantes investimentos em equipamentos e aperfeiçoamento profissional para cumprir os mais rigorosos protocolos de saúde, oferecer o melhor atendimento, se manter como referência em APH e salvar vidas.

Qualidade e eficiência

O serviço pré-hospitalar salva vidas e previne o agravamento no quadro de saúde das vítimas de diversas ocorrências, como traumas e mal súbito. O atendimento de primeiros socorros do APH exige alto nível técnico e humanização dos procedimentos. Adquiridos no curso de APH, essa junção de habilidades faz com que a vítima seja amparada e se sinta segura e calma, colaborando para o atendimento e resultados mais positivos. A Dez Emergências desenvolve e ministra aulas de APH para atendimento inicial ao trauma, ao mal subido e outras ocorrências. O curso de APH básico pode ser realizado por socorristas, bombeiros civis e militares, técnicos e auxiliares de enfermagem, enfermeiros e brigadistas. Ele consiste em aulas teóricas e práticas para formar profissionais capacitados.

Urgência e emergência

O atendimento pré-hospitalar trata de tipos variados de ocorrências e saber a diferença entre urgência e emergência segundo o Ministério da Saúde é muito importante para realizar o atendimento adequado. De acordo com a Lei nº 9.656/98m, que regulamenta os planos de saúde, emergência são casos em que existe o risco imediato de morte ou de consequências irreparáveis ao paciente, como um infarto, por exemplo. Já os casos considerados urgências são traumas como quedas, fraturas e outros acidentes em que não existe risco de vida, mas que também precisam de atendimento imediato. Tanto o atendimento pré-hospitalar ao traumatizado, quanto aos casos de emergências devem ser feitos por profissionais capacitados.

O atendimento pré-hospitalar pode ser um atendimento conclusivo, a ser finalizado sem a necessidade de remoção para um hospital, ou os primeiros socorros para a preparação e estabilização do paciente. O APH pode envolver protocolos de reanimação cardiorrespiratória, técnicas de suporte básico ou avançado, cadeia de sobrevivência, curativos e o acompanhamento humanizado do paciente. Saiba mais sobre o serviço que é referência e já salvou muitas vidas.

Desfibrilador DEA

DEA (desfibrilador externo automático): A importância do manuseio adequado

O DEA — desfibrilador externo automático — pode salvar vidas em casos de problemas cardíacos, como infartos, arritmia cardíaca e insuficiência cardíaca. Apesar de acometer uma parcela elevada das pessoas de 60 anos ou mais, os distúrbios cardiorrespiratórios também podem atingir jovens e crianças. Tornando os cuidados preventivos e tratamentos ainda mais relevantes.

A sigla DEA é usada para representar o nome do desfibrilador externo automático, um equipamento que salva vidas. Seu desenvolvimento aconteceu no final da década de 70, nos Estados Unidos. O DEA é um aparelho moderno e sofisticado, com a funcionalidade de aplicar um pulso de corrente elétrica de grande amplitude. Seu uso tem como objetivo reverter fibrilação ventricular ou uma taquicardia ventricular sem pulso.

O uso desse equipamento é feito no socorro às vítimas de acidentes domésticos, nas ambulâncias ou sempre que um paciente necessitar. Porém, o desfibrilador externo automático só deve ser operado por pessoas capacitadas, como os profissionais da Dez Emergências, em pacientes que apresentarem ausência de respiração e resposta. Sendo assim, seu manuseio exige conhecimento, caso contrário, é possível gerar agravos de saúde.

Entenda a importância do DEA desfibrilador externo automático

O manuseio adequado do aparelho pode ser um fator determinante entre a vida e a morte em paradas cardíacas. Seu uso deve ser preciso, sendo um elo fundamental da cadeia de sobrevivência — sequência de ações desenvolvida para aumentar o índice de sucessos em casos de parada cardiorrespiratória.

Além disso, este elo da cadeia de sobrevivência precisa ser precoce, ou seja, realizado no primeiro minuto da fibrilação ventricular (FV) para obter sucesso. Ainda, o ideal é que no momento do agravo súbito de saúde, a pessoa consiga ligar para o suporte de emergência e ter capacidade de iniciar imediatamente as manobras de suporte básico de vida.

Enquanto isso, uma segunda pessoa deve preparar o aparelho DEA com o posicionamento adequado de cada eletrodo.

O procedimento não é simples e contar com equipes especializadas e habilitadas nesse tipo de atendimento é fundamental. Por isso, a Dez Emergências oferece serviços como treinamentos para médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde, como é o caso do curso de Suporte Básico de Vida (SBV).

Ainda para a utilização adequada, o aparelho deve estar em perfeitas condições de uso e manutenção em dia. Muitas vezes, o DEA, desfibrilador externo automático, fica por muito tempo parado nas escolas e instituições e, no momento do uso, apresenta problemas que podem ser fatais. Dessa forma, mesmo uma pessoa capacitada pelo curso de SBV pode ter problemas para operar o dispositivo, o que torna ainda mais importante o trabalho de socorro desenvolvido pela Dez Emergências, com seus equipamentos prontos para o uso e os profissionais altamente aptos.

Dez Emergências: solução certa em caso de urgência e emergência

A Dez Emergências é uma empresa especializada e preparada para o atendimento de urgência e emergência. Contamos com diversos serviços de saúde, como:

  • Curso de Suporte Básico de Vida (SBV);
  • Curso de Primeiros Socorros na Escola (Lei Lucas);
  • Ambulâncias Particulares;
  • Remoção de Pacientes;
  • Área Protegida;
  • E outros.

Seja para o atendimento de pacientes de baixa, média ou alta complexidade, a Dez possui todos os requisitos para emergências médicas domiciliares e outros serviços. Portanto, mesmo com essas informações relevantes, nada substitui o trabalho de profissionais capacitados e os equipamentos certos.

Além de cursos que possibilitam o manuseio correto do DEA, a solução de Ambulâncias Particulares da Dez Emergências aumentam ainda mais as chances de sobrevivência. Os veículos são modernos e altamente equipados para atender aos mais diversos casos de urgência e emergência.

Para o socorro de vítimas, basta acionar uma das ambulâncias pelo canal direto de emergências, porém também é possível realizar a contratação prévia em casos de festas, shows ou outros eventos.

O atendimento oferece suporte pré-hospitalar com profissionais aptos para incidentes de baixo, médio ou alto risco. Enquanto o paciente recebe o atendimento de urgência, também é encaminhado para o hospital mais próximo do local em ambulâncias completas e de última geração.

Dessa forma, é possível ser mais ágil e preciso no atendimento, aumentando as chances de vida do paciente e o bem-estar durante o suporte. Entre em contato para saber mais sobre o serviço de Ambulância Particular da Dez Emergências.

Cadeia de sobrevivência: os elos do suporte da vida

Cadeia de sobrevivência é o nome dado ao conceito desenvolvido por médicos e profissionais especializados para ampliar o percentual de vidas salvas em casos de socorro às vítimas de paradas cardiorrespiratórias. Após muitos estudos, experiência prática e cruzamento de dados, uma sequência de procedimentos foi desenvolvida para guiar a atuação nesses casos e ela ganhou o nome de cadeia de sobrevivência.

A importância da cadeia de sobrevivência

O conceito de cadeia de sobrevivência consiste em um protocolo atualizado para parada cardiorrespiratória ou PCR, sigla pela qual também é chamada. O protocolo leva em consideração a formação de quatro a cinco elos de procedimentos, que devem acontecer de forma sequencial e homogênea em precisão e qualidade para que os resultados sejam consistentes e mais vidas sejam salvas.

Cadeia de Sobrevivência

Sendo assim, o primeiro elo deve acontecer imediatamente após o diagnóstico de PCR, ou parada cardiorrespiratória, e consiste em solicitar ajuda especializada do serviço de urgências, como o Dez Emergências. O segundo elo é iniciar o novo protocolo de reanimação cardiorrespiratória através do Suporte Básico de Vida.

O passo seguinte é a utilização do desfibrilador externo automático (DEA) para restabelecer o paciente de forma precoce e efetiva. O quarto elo é o Suporte Avançado de Vida, quando são realizados os cuidados para estabilizar e manter o paciente.

Podemos ainda mencionar o quinto elo da cadeia de sobrevivência, que consiste nos cuidados após o protocolo de reanimação cardiorrespiratório. Esse último passo geralmente é realizado no hospital e, assim como os demais, deve ser realizado de forma consistente.

Cadeia de Sobrevivência com a Dez Emergências

Todas as etapas devem ser consistentes, por isso contratar os serviços da Dez Emergências é fundamental para salvar mais vidas. A Dez é especializada em serviços de saúde para urgência e emergência. Além de contar com uma frota de 150 ambulâncias para remoção inter-hospitalar de pacientes com baixa, média e alta complexidade de tratamento, a Dez Emergências ainda realiza cursos para o Suporte Básico de Vida.

Os treinamentos são importantes para capacitar colaboradores, profissionais de saúde e demais interessados para obter a habilidade de reconhecimento e tratamento de sintomas.

O conteúdo abordado deixa o profissional apto para a cadeia de sobrevivência e atuação em situações de risco. Essas ações são importantes para complementarem o trabalho de salvamento realizado pela Dez Emergência, ampliando a segurança e o salvamento de vidas.

Como funcionam os serviços da Dez Emergências

A utilização sequencial e homogênea da cadeia de sobrevivência aumentam as chances de sucesso, por isso é altamente recomendada em casos de paradas cardiorrespiratórias. Para isso, a solução adequada é ter uma empresa especializada como a Dez Emergências. Os serviços de suporte com as ambulâncias particulares e área protegida oferecem atendimento adequado e altamente capacitado.

A frota da Dez Emergência possui ambulâncias modernas e prontas para um suporte emergencial ágil e eficiente. Com a contratação dos serviços, basta acionar em caso de urgência e receber o atendimento em poucos minutos. A Central de Regulação 24 horas encaminha rapidamente as ambulâncias mais próximas garantindo a agilidade e precisão no suporte.

Com isso, nossos profissionais habilitados oferecem o atendimento pré-hospitalar, com utilização de manobras adequadas e equipamentos tecnológicos. Enquanto isso, o paciente é encaminhado para o hospital mais próximo. Efetuamos todos os elos da cadeia de sobrevivência de maneira ágil e correta.

Entenda melhor os serviços e entre em contato para um orçamento personalizado de atendimento emergencial com a Dez Emergências.

Senhor sentindo dor no peito

Quais os sintomas de um infarto: aprenda a reconhecer

Conhecer quais os sintomas de um infarto é importante para realizar os primeiros-socorros da maneira correta e, assim, salvar vidas. Os sintomas de infarto vão além de dores súbitas no peito e envolvem diversos outros alertas. Isso é especialmente importante porque 30% das mortes registradas no Brasil são em decorrência de infarto ou AVC, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O infarto, também chamado de ataque cardíaco, acontece quando existe um bloqueio prolongado do fluxo de sangue que leva ao miocárdio e resulta em danos ao músculo cardíaco. Segundo a OMS, 17,5 milhões de pessoas morrem por ano em decorrência de doenças do coração em todo o mundo.

Porém, se tratado da forma adequada, é possível evitar danos importantes no músculo cardíaco e não só salvar a vida do paciente, como também proporcionar uma vida saudável e longa.

Sintomas

Entre os principais fatores para salvar vidas e evitar prejuízos permanentes à saúde do paciente, está compreender os sintomas de infarto e agir rápido. Por isso, preparamos uma lista com os primeiros indícios de infarto, que devem motivar um pedido de socorro por profissionais capacitados.

  • Pressão no peitoO mais comum e conhecido dos sintomas início de infarto, a pressão ou dor na parte central do peito, acontece normalmente de forma intensa e dura alguns minutos. A dor pode parar e voltar pouco depois.
  • Falta de arDificuldades na respiração e falta de ar também podem ser primeiros sinais de infarto. Ela pode, ou não, acontecer junto com outros sintomas, como a dor no peito.
  • Dores e desconfortosOutros sintomas que podem passar despercebidos são as dores ou os desconfortos na parte superior do corpo. Podem acontecer nos braços, no pescoço, nas costas, na mandíbula ou até no estômago. As dores podem acontecer em todos os pontos ou apenas em um.
  • Outros sintomasPacientes com início de infarto ainda podem sentir dores de estômago e suar em excesso. Os sintomas são muito variados, portanto fique atento à combinação de sintomas e procure ajuda especializada com rapidez. Quanto maior o tempo até a ajuda acontecer, maior também o risco de sequelas e até de morte.

Causas

Algumas pessoas são mais propensas a ter infarto, e, além de saber quais sintomas de infarto, conhecer esses fatores de risco é importe para se avaliar a possibilidade da doença. Mais que isso, evitar esses fatores garante mais saúde e longevidade.

  • Diabetes mellitus;
  • Hipertensão;
  • Tabagismo;
  • Obesidade;
  • Colesterol elevado;
  • Sedentarismo;
  • Estresse e depressão.

Desconforto Peito

Alguns dos fatores estão diretamente ligados com hábitos desaconselhados, como o tabagismo e o sedentarismo. Além de evitar esses fatores de risco, ter uma vida saudável com atividade física e alimentação balanceada são as melhores formas de afastar os riscos do infarto.

Em caso de agravos da saúde, opte sempre pelos serviços da Dez Emergências. Nossas ambulâncias particulares são altamente equipadas e preparadas para o socorro e o aumentam as chances de sobrevivência.

projeto primeiros socorros na escola

Projeto primeiros socorros na escola: tudo o que você precisa saber

O atendimento de mal súbito se faz cada vez mais necessário em nosso dia a dia. Afinal, o aumento de doenças crônicas e outras causas externas, exige o suporte básico de vida com agilidade e eficiência. O objetivo é elevar as chances de sobrevivência. Por isso, o projeto primeiros socorros na escola foi sancionado este ano.

A nova Lei n° 13.722/18 foi criada para oferecer a assistência necessária para agravos súbitos de saúde nas escolas. Leia o artigo completo e entenda mais.

O que é o projeto primeiros socorros na escola?

Foi por incentivo da família de Lucas Begallo, falecido em Campinas, depois de ter engasgado em uma excursão da escola, que a Lei n° 13.722/18, chamada de Lei Lucas, foi criada e sancionada pelo então Presidente Michel Temer, em 4 de outubro de 2018.

A lei torna indispensável o curso de primeiros socorros a professores e funcionários, tanto de escolas públicas quanto de instituições privadas, que lidam com a educação básica de crianças.

O que diz a Lei Lucas?

Com a obrigatoriedade do treinamento de primeiros socorros para funcionários das instituições de ensino, a Lei Lucas determina ainda que o curso deve ser oferecido anualmente. Tanto para a capacitação quanto para a reciclagem. O artigo 2° indica que o número de educadores para cumprimento do curso deve ser definido por meio de um regulamento, a depender do tamanho do corpo docente.

É importante ressaltar que o curso de primeiros socorros nas escolas visa capacitar os profissionais da educação infantil para o atendimento emergencial. Isso quer dizer que eles devem estar preparados para o controle dos riscos da ocorrência, com um suporte básico de vida. Além disso, saber orientar de forma certa o acionamento de um serviço especializado, como ambulâncias e profissionais da saúde.

Ainda, o material que deve ser transmitido na formação precisa estar de acordo com a faixa de idade das crianças da escola. Além disso, após a conclusão, precisa-se colocar o certificado em local onde possa ser visto na instituição.

Por fim, a Lei Lucas obriga também que a escola conte com um kit de primeiros socorros – equipamentos que são orientados por profissionais capacitados.

O que acontece ao não cumprir a Lei Lucas?

Além da omissão de socorro, que possui pena de detenção ou multa, o não cumprimento da Lei Lucas pode acarretar em problemas para a instituição de ensino. Primeiro, é encaminhada uma notificação. Caso ainda não seja cumprido, o local receberá uma multa e até mesmo a cassação da licença de funcionamento.

Qual a importância do projeto primeiros socorros na escola?

A nova Lei é de extrema importância para assegurar a vida de crianças nas escolas. Entenda mais:

A atual situação das escolas

Atualmente, as escolas costumam contar com uma enfermaria que oferece suporte para o bem-estar das crianças. Entretanto, muitas vezes os profissionais não estão devidamente aptos para casos clínicos de urgência e emergência.

Atendimento capacitado

Além disso, o atendimento imediato deve ser feito com cuidado. Afinal, o uso incorreto de equipamentos como o DEA (desfibrilador externo automático) pode agravar a situação e até levar a óbito. Assim como o manuseio correto, o DEA deve estar em perfeito estado e com manutenção em dia. Caso contrário, poderá ainda causar graves problemas. Portanto, o controle rígido dos profissionais e equipamentos deve ser priorizado nas escolas.

Serviço de atendimento móvel de urgência e emergência

Outro ponto que devemos dar a devida atenção é a questão do serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU).

Em abril de 2017, os dados obtidos pela Lei de Acesso à Informação, demonstraram que o serviço deixou de atender uma a cada três chamadas de sua central. Isso porque, além da falta de profissionais, existe também a espera de uma ocorrência para a outra, na liberação de ambulâncias e macas.

Soluções para o bem-estar nas escolas

Poucos segundos podem fazer a diferença para a sobrevivência de uma criança em situação de emergência nas escolas. Por isso, a Dez Emergências recomenda soluções que podem aumentar e muito as chances de vida.

A Dez oferece treinamento e capacitação dos colaboradores da escola, ministrando os protocolos internacionais de urgência e emergência. O curso é indicado para leigos, não precisa de experiência ou ser da área médica para participar do curso.

Além disso, como importante complemento, a Dez Emergências oferece o serviço de área protegida que é uma complementação do sistema de emergência, ideal para as instituições de ensino.

Com o sistema, a escola estará protegida e o serviço disponível para todos que circulem dentro das dependências da escola. Desta forma, a ambulância é acionada e o atendimento é efetuado dentro de poucos minutos.

Contamos com profissionais totalmente habilitados. Bem como suporte especializado com agilidade, sem contar o custo-benefício ideal para sua entidade de ensino.

Entre em contato conosco para a criação do projeto primeiros socorros na escola de maneira correta. Conheça nossos serviços!

saúde do idoso

Saúde do Idoso exige medidas eficazes para promover bem-estar

A Saúde do Idoso já é uma preocupação em nosso país e passará a ser cada vez mais discutida nos próximos anos, pois a tendência é de ter um aumento considerável de pessoas com mais de 60 anos no Brasil.

Diante do envelhecimento evidente da população brasileira é preciso compreender os parâmetros que regem a atenção à saúde do idoso, as características dessa fase da vida, como deve ser a alimentação, as patologias mais comuns e como envelhecer de forma saudável.

Principais patologias do Idoso

Sabemos que envelhecer tende a deixar as pessoas mais vulneráveis às doenças. Para que seja possível alinhar o envelhecimento com a saúde da pessoa idosa é necessário agir com fatores preventivos, bem como tratar as patologias já diagnosticadas a fim de proporcionar mais qualidade de vida.

Fizemos uma lista com base nas informações divulgadas pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Instabilidade postural

Perder o equilíbrio pode se tornar mais frequente e afetar diretamente a saúde do idoso. O mesmo documento da OPAS aponta que as quedas representam 30% dos acidentes com idosos, e são a sexta causa de morte das pessoas nessa faixa etária.

Imobilidade

ISAACS, em 1969, definiu que imobilidade é toda e qualquer limitação que impeça o movimento natural das pessoas.

Essa paralisação compromete diretamente a qualidade de vida dos idosos porque passam a ser mais vulneráveis a criarem sentimentos de incapacidade, bem como podem desenvolver:

  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Entre outras doenças psíquicas.

Incontinência urinária

Pode atingir entre 30 a 60% dos idosos, mas não é uma consequência natural da velhice, pelo contrário, representa uma alteração das funções que desequilibra o organismo e precisa ter os devidos acompanhamentos médicos.

Ser idoso e saudável é possível

Cuidar da saúde começa cedo. O ideal é ter uma vida saudável ao longo de toda a vida para que a velhice possa ser uma fase tão prazerosa como as outras. Para isso, vale a pena investir tempo em:

  • Ter uma alimentação mais saudável;
  • Praticar exercícios físicos com frequência;
  • Conviver mais com a família/amigos;
  • Ter momentos de lazer.

De 8% a 16% da população idoso pode desenvolver depressão pelo fato de não ter mais autonomia em suas vidas. Prevenir esse quadro é possível.

Alimentação

Os alimentos são responsáveis por levar os nutrientes que o nosso corpo não consegue produzir sozinho.

Por exemplo: Ingerir frutas, verduras, leguminosas, grãos, entre outros alimentos saudáveis torna o organismo mais resistente.

Para que esses alimentos possam contribuir com a saúde do idoso é importante fazer um check-up e ter um cardápio elaborado por um nutricionista para atender as necessidades individuais de cada pessoa, além disso vale a pena investir em produtos orgânicos e menos industrializados.

Exercícios Físicos

Respeitando as limitações do idoso, a prática de exercícios físicos é recomendada para agregar mais qualidade de vida, melhoras significativas no controle da pressão arterial, cardiovascular e respiratória.

Lazer

Foi se o tempo em que o idoso era visto como alguém que passava o dia todo em casa fazendo crochê ou jogando xadrez.

Longe dessa perspectiva, recomenda-se o contato diário com pessoas da família e amigos para que o idoso possa conversar, bem como ter momentos de lazer como um passeio ao parque, ida ao cinema, shopping, viagens, teatros, musicais etc.

Essas atividades proporcionam momentos prazerosos e que tornam a vida dele mais agradável. Invista tempo para o fazer feliz.

Caso o idoso tenha alguma limitação que exija acompanhamento médico para realizar pequenas, médias e longas viagens, você pode contar com o apoio de uma ambulância particular para buscá-lo, levá-lo e trazê-lo em segurança por meio do serviço de Remoção de Pacientes.

Quero saber mais sobre o serviço de Remoção de Pacientes

Primeiros Socorros

Primeiros Socorros: Cada segundo é crucial para salvar uma vida

Os Primeiros Socorros são tão importantes que deveriam ser ensinados massivamente em escolas, empresas, faculdades e para todos, pois com os conhecimentos básicos é possível salvar uma vida.

Entende-se por Primeiros Socorros todo atendimento inicial de emergência feito antes da chegada da ambulância e dos profissionais da área da saúde. Eles podem ser feitos por qualquer pessoa que tenha o mínimo de preparo.

Neste guia, nós vamos te ajudar a entender as principais técnicas em diferentes casos.

Noções de Primeiros Socorros

Para que seja possível socorrer uma vítima de mal súbito, você precisa manter a calma e seguir rapidamente alguns procedimentos, como por exemplo:

  • Em primeiro lugar, verifique se a vítima consegue falar e mantém o raciocínio, mas não a force falar muito. A tranquilize.

  • Evite mover a pessoa do lugar para que não agrave o quadro da vítima.

  • Cheque a respiração e pulsação.

  • Afaste os curiosos.

O método mais eficiente para agir nesse momento é o de seguir o P.A.S.

Procedimentos para Primeiros Socorros

Cada diagnóstico exige um tipo de prestação de socorro. Vamos te explicar quais são os procedimentos básicos para as seguintes situações:

  • Parada Cardíaca;

  • Parada Respiratória;

  • Engasgos;

  • Queimaduras;

  • Fraturas;

  • Cortes.

Cada segundo é importante para garantir que a vítima consiga ser encaminhada ao hospital, normalizar o seu quadro, bem como se recuperar.

Procedimentos de Primeiros Socorros para Parada Cardíaca

A Parada Cardiorrespiratória (PCR) é caracterizada por uma perda repentina da função exercida pelo coração. Geralmente, a vítima sente uma forte dor no órgão e pode perder tanto a consciência quanto a respiração.

Os três primeiros minutos posteriores ao ataque cardíaco são fundamentais para ajudar a vítima. Segundo dados divulgados pelo Hospital Israelita Albert Einstein, aproximadamente, 150 mil casos de paradas cardíacas acontecem em nosso país.

Como socorrer a vítima de Parada Cardíaca

O primeiro passo é deitá-la com a barriga para cima. Se possível, tenha mais uma pessoa para auxiliar durante a massagem.

Em seguida, incline o queixo da pessoa para ajudá-la a respirar melhor. Deixe os braços esticados e coloque a palma de uma das mãos sobre a região do tórax (no centro do peito da pessoa).

Use a mão livre em cima da outra para realizar a pressão necessária.

Massagem Cardíaca em adultos

Realize a pressão com as mãos durante 18 segundos (30 vezes durante esse período) afundando a mão até 5 cm para que o coração possa receber a massagem.

Simultaneamente, preste atenção ao movimento do tórax. Repita o procedimento de afundar e soltar as mãos para que o coração consiga ter sangue suficiente para bombear os outros órgãos.

Massagem Cardíaca em bebês

Deite o bebê com a barriga para cima. Delicadamente, incline a cabeça dele para trás. Verifique se há algo obstruindo a respiração.

Com o dedo indicador e médio, pressione o coração com dois empurrões consecutivos a cada segundo. Repita até o resgate chegar.

Parada Respiratória

A Parada Respiratória acontece quando o cérebro para de receber oxigênio, a pessoa perde a respiração e a consciência.

Esse mal súbito pode acontecer em decorrência da Parada Cardíaca, engasgos, pressões no pescoço, afogamentos, choques etc.

Saiba como agir.

Procedimento para socorrer vítimas de Paradas Respiratórias

Coloque a vítima deitada no chão com a barriga pra cima. Incline a cabeça dela para trás e deixe o queixo erguido.

Utilize os dedos indicador e polegar para fechas as narinas. Deixe a boca da vítima aberta e encoste os seus lábios nos dela. Dê dois sopros para que consiga levar ar aos pulmões.

Se o procedimento for feito em conjunto com a massagem cardíaca, a cada 10 pressões torácicas, realize dois sopros.

Primeiros Socorros para Engasgos

Os procedimentos para socorrer vítimas de engasgos são diferentes entre adultos e bebês. Abaixo, confira como agir em cada caso.

Manobra de Heimlich em adulto

Manobra de Heimlich em adulto

Aplique a Manobra de Heimlich (método pré-hospitalar criada por Henry Heimlich em 1974). Para isso, fique atrás da pessoa e apoie uma das suas pernas entre as pernas da vítima. A mão esquerda deve ficar fechada com o polegar dobrado e pressionando acima do umbigo.

Já a mão direita permanece aberta e empurra a mão fechada até que consiga desengasgar a vítima.

Como desengasgar bebês de até 1 ano de idade

desengasgar bebês

Coloque o bebê com a barriga em seu braço e a cabeça no sentido o chão. Use a outra mão aberta para bater até cinco vezes nas costas.

Se não desengasgar, o vire com a barriga para cima, o deite e pressione os dedos médio e indicador contra o tórax por cinco vezes.

Primeiros Socorros para Queimaduras

O Ministério da Saúde estima que 1 milhão de pessoas sofrem com queimaduras, anualmente. As crianças tendem a ser a maioria das vítimas.

Os Primeiros Socorros para queimaduras conseguem prevenir infecções e agravamentos. Embora é comum associar queimaduras com o fogo, elas podem acontecer também pelo contato com o frio e por produtos químicos.

Queimaduras provocadas pelo fogo

Tente abafar o fogo com um cobertor ou um casaco grosso. Se não houver nenhum dos dois disponíveis, oriente a vítima a rolar no chão.

Se as peças de roupa grudarem no corpo da pessoa, não tente remover. Espere ajuda dos profissionais de emergência.

Importante: Se aparecer bolhas na região não tente rompê-las. No máximo, lave com água e proteja a área com gaze ou pano limpo.

Queimaduras provadas pelo frio

Se depois de ter contato com o frio extremo houver queimaduras na pele, o ideal é lavar a área atingida com água corrente e remover a pessoa do contato com o frio.

Encaminhe a vítima ao hospital mais próximo para que um médico possa realizar os exames e possa fazer a indicação tratamento mais adequado.

Queimaduras provadas por agentes químicos

Neste caso, é indicado retirar a roupa da pessoa para não deixar o produto químico ter contato com outras partes do corpo. Além disso, deixe a área atingida embaixo de água corrente durante 20 minutos, aproximadamente.

Fraturas

Se você não tem conhecimento em como colocar a parte do corpo fraturada no lugar, não tente realizar o procedimento, pois pode prejudicar e agravar o quadro.

Entre em contato, imediatamente, com o atendimento de urgência e emergência e aguarde ajuda. Se houver sangramento, lave a área com água corrente, bem como tente estancar o sangue com gaze ou pano limpo.

Cortes

Os cortes são acidentes comuns em nosso dia a dia. Eles podem acontecer de forma superficial ou mais profunda. Nos dois casos, lave o machucado com água corrente e o pressione com gaze ou pano limpo para que seja possível parar o sangramento.

Leve o ferido ao hospital mais próximo para realizar os procedimentos adequados.

Leia também:

Saúde do Idoso exige medidas eficazes para promover bem-estar